Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G
itenfrdeptes

Compartilhe nosso conteúdo!

Inspirado na vida oculta de São José, Dom Marello fundou os Oblatos de São José. Confiou-lhes o serviço aos necessitados nas paróquias e recomendou a imitação do santo Patriarca.

por Corrado Vari

«Procurar os interesses de Jesus», foi o lema da sua vida e por isso se refletiu totalmente em São José, esposo de Maria e guardião do Redentor. Sentiu-se fortemente atraído pelo serviço oculto de São José, alimentado por uma profunda interioridade. E soube incutir este “estilo” nos Oblatos de São José, congregação religiosa que fundou. Gostava de repetir-lhes: “Sede extraordinários nas coisas ordinárias” e acrescentava: “Sede cartuxos em casa e apóstolos fora de casa”. O Senhor quis servir-se da sua personalidade robusta para a sua Igreja, chamando-o ao episcopado da diocese de Acqui, onde, em poucos anos, despendeu todas as suas energias no rebanho, deixando uma marca que o tempo não apagou.

San Giuseppe Marello nasceu em Turim em 26 de dezembro de 1844 em uma família de comerciantes; dois de seus avós se chamam Giuseppe e Giuseppina respectivamente, seu pai era amigo e benfeitor de São Giuseppe Benedetto Cottolengo: portanto a escolha do nome é quase obrigatória.

Perdeu a mãe com apenas quatro anos e foi confiado aos avós paternos em San Martino Alfieri, na região de Asti. Aos doze anos, devido aos bons resultados obtidos na escola, o pai levou-o a Savona: aqui visitaram o santuário da Madonna della Misericordia e diante do altar de Maria o jovem sentiu que o Senhor o chamava. O pai teria preferido que ele estivesse ao seu lado nos negócios da família, mas ele não se opôs: assim, em outubro de 1856, Giuseppe entrou no seminário de Asti, onde se destacou pela sua bondade e engenhosidade.

Aos dezoito anos, porém, ele interrompe sua jornada, num momento de crise ao qual não é estranho seu pai, que não desistiu de pensar em um futuro diferente para ele. Inscreveu-se em escolas de negócios em Turim e aí teve contacto com os problemas sociais e políticos do seu tempo. Mas o Senhor “o chama de volta” novamente. No final de 1863 o jovem adoeceu gravemente com tifo: invocou a Madona Consolata, protectora de Turim e Maria confirmou-lhe que o seu caminho era o sacerdócio e que só assim se recuperaria. Em fevereiro de 1864, o Seminário de Asti acolheu-o novamente, completamente recuperado.

Giuseppe foi ordenado sacerdote em Asti em 19 de setembro de 1868. Dom Carlo Savio escolheu-o como secretário e acompanhou-o durante anos, conhecendo de perto todos os aspectos do seu ministério e ao mesmo tempo trabalhando no seminário como formador e confessor e em vários obras de bem-estar. Em 1869 esteve com o seu bispo em Roma para o Concílio Vaticano I - quando Pio IX proclamou São José padroeiro da Igreja universal - e conheceu o cardeal Gioacchino Pecci, futuro Papa Leão XIII, que não esqueceria o jovem sacerdote.

Giuseppe Marello sempre teve um vínculo especial com seu Padroeiro; tendo-se tornado sacerdote, concebeu a ideia de uma obra com o seu nome, num momento em que a ação pastoral e a vida religiosa estavam enfraquecidas, também em consequência das leis secularistas do jovem Reino de Itália. Em 1872, com os quatro primeiros que aceitaram o seu convite, deu vida à “Companhia de São José”, uma família de leigos consagrados ao serviço de paróquias e instituições de caridade para a formação e assistência de jovens e necessitados, que imitou as virtudes e difundiu a devoção ao santo Patriarca, «o primeiro na terra – escreve –  para cuidar dos interesses de Jesus, que cuidou dele quando criança e o protegeu quando criança e esteve no lugar de seu pai nos primeiros trinta anos de sua vida aqui na terra".

Tendo acolhido também jovens chamados ao sacerdócio, em 1878 a Companhia passou a ser a Congregação dos Oblatos de São José. Não faltarão dificuldades, mas nem mesmo o apoio e o incentivo de muitos amigos, em particular de Dom Bosco.

Em 1888, ao escolher o novo bispo de Acqui, o Papa Leão XIII lembrou-se de Dom Giuseppe e chamou-o para aquela cátedra. Foi consagrado em Roma em 17 de fevereiro de 1889 e entrou na diocese em junho. A sua primeira carta pastoral termina com esta invocação: «Ó Senhor, ajuda-me a salvaguardar em teu nome os filhos que me entregaste; concede-me que, quando me pedires contas de suas almas, eu possa responder-te com alegria: eis que guardei todos eles; nenhum deles morreu."

Ele se dedicará ao serviço deles sem se poupar, conseguindo visitar em pouco tempo todas as mais de cento e vinte paróquias da diocese. O seu brasão episcopal é inspirado em Maria, a estrela do mar, e no seu lema ("iter para tutum”: “proteja nosso caminho”) é retirado do antigo hino Salve Maris Stella. Em 1891, o Papa definiu-o publicamente como “uma pérola de bispo”, diante de milhares de pessoas e das pessoas diretamente envolvidas.

Em maio de 1895 Monsenhor Marello estava em Savona. No dia 27 celebrou aquela que seria a sua última missa no Santuário de Nossa Senhora da Misericórdia, para onde tinha sido chamado pela primeira vez. Três dias depois, ele morreu de doença no bispado de Savona, com pouco mais de 50 anos. Beatificado em 1993 e canonizado em 2001, Giuseppe Marello repousa no santuário de San Giuseppe em Asti e a sua memória litúrgica está marcada para 30 de maio.

Suas Oblatas estão hoje presentes na Itália e em outros onze países de quatro continentes, desde 1992 também com um ramo feminino. «Tende todos bom ânimo sob o manto paterno de São José, lugar de refúgio muito seguro nas tribulações e angústias», escreveu-lhes o fundador dois meses antes de sua morte, confiando-os ao santo cujo nome levava e a a quem ele conformou a sua vida e a sua obra.

Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G