Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G
itenfrdeptes
Quinta-feira, 13 de junho de 2024, 12h43

Fonte de todo consolo

Escrito por
Classifique este artigo
(0 votos)

Compartilhe nosso conteúdo!

por Dom Bruno Capparoni

Nna iminência do mês de junho, “resbicando” entre pinturas e imagens do Sagrado Coração, deparei-me com um retábulo, obra do pintor veronese Giovanni Caliari (1802-1850), que quis então reproduzir na capa . O nome deste pintor era-me completamente desconhecido, mas fiquei impressionado com o tema retratado. 

Representa Jesus sentado num trono, enquanto indica com a mão direita o seu coração, rodeado de luz, envolto numa chama, rodeado de espinhos e encimado pela cruz (é a representação do Sagrado Coração muito conhecida e consagrado por muitos artistas). As figuras que cercavam o trono divino despertaram em mim maior curiosidade. De um lado aparece São José, com o bastão florido, em atitude de oração; no meio, São Luís Gonzaga ajoelha-se em adoração enquanto um anjo lhe presenteia com o lírio da pureza e os instrumentos da penitência; do outro lado, São Pedro segura as chaves com a mão direita e aponta para Jesus com a esquerda. É uma composição que reflete os gostos de quase todas as pinturas sacras posteriores ao Concílio de Trento e talvez você não goste. É feito com boa técnica pictórica, mas carece de novidade!

Mas este retábulo de Caliari me impressionou e sugeriu algumas breves reflexões que compartilho aqui, para acompanhar o mês de junho dedicado ao Sagrado Coração de Jesus. 

Pensei que os três santos que rodeiam o trono do Senhor (provavelmente escolhidos pelo pintor para alguma devoção local, sem ligações particulares entre eles) expressam na pintura o que os identifica: indicam Jesus como o centro da sua pessoa. Eles coroam o Senhor e sugerem ao observador que Jesus é para eles a “fonte de toda consolação” (como é invocado na Ladainha do Sagrado Coração), de quem não podem mais se separar. Eles estão ali para nos dizer que esse “consolo” é a alegre descoberta que os une, não só na pintura, mas sobretudo na realidade das suas vidas (apesar de serem tão diferentes entre si). Em suma, reafirmam a mensagem que todos os santos devem comunicar, isto é, que amam Jesus e que neste amor encontram todo o bem.

São três santos cristãos, portanto três homens “reais”. O servo de Deus Dom Luigi Giussani escreveu: «O santo é o verdadeiro homem, um verdadeiro homem porque adere a Deus e, portanto, ao ideal para o qual o seu coração foi construído». A condição destes três santos coincide com a daqueles que viveram verdadeiramente a sua humanidade: isto aconteceu porque encontraram e “abraçaram o humilde Deus Jesus” (como diz Santo Agostinho). São três verdadeiros homens e contam-nos que os seus corações (como os nossos) estavam inquietos, esperavam, marcados por uma esperança secreta e inefável. Quando encontraram Jesus, encontraram a “fonte de toda consolação”, isto é, a resposta para cada pergunta e cada desejo. 

Estes três santos (três homens) indicam finalmente que toda a tarefa do cristão, portanto toda a tarefa humana, se resume numa oração curta e simples, a repetir no mês de Junho, mas também com mais frequência, possivelmente sempre: «Doce Coração de Jesus, faz com que eu te ame cada vez mais.” Não há nada a pedir senão amá-lo; então basta deixar que esta oração dê frutos.  

Leia 121 vezes Última modificação em quinta-feira, 13 de junho de 2024 13h00

Deixe um comentário

Certifique-se de inserir todas as informações necessárias, indicado por um asterisco (*). código HTML não é permitido.

Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G