Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G
itenfrdeptes

Compartilhe nosso conteúdo!

A memória do Padre Paolo Oggioni

por Soosai Rathinam

A coluna «Cartas» da edição de março da nossa revista trazia, na página 13, uma carta do Padre Paolo Oggioni na qual narrava os acontecimentos de sua doença. No mês de maio Padre Paolo deixou esta terra para receber o prêmio reservado pelo Senhor aos bons servos na construção do Reino da fraternidade e do amor. Parece-nos justo recordar hoje o falecimento do Padre Paolo com a memória do Padre Soosai Rathinam, responsável pela jovem província guanelliana que inclui a Índia, as Filipinas, os EUA e o Vietname, e que teve o privilégio de estar perto dele e saber ele na qualidade de irmão, educador e autêntico apóstolo da caridade. 

 

Padre Paolo foi um de nós e escreveu algumas das páginas mais importantes e emocionantes da nossa história. É necessário falar dele porque foi um dom precioso recebido do alto. Uma das tarefas mais difíceis dos seus futuros biógrafos será estabelecer a que Província da Congregação pertencia, porque no seu incansável empenho serviu a Congregação em todo o mundo: Itália, América Latina, Estados Unidos da América, Filipinas e até África, se a sua saúde não o tivesse abandonado no último período da sua passagem terrena.

Sua doença prevaleceu e por isso ele não foi autorizado a servir no Continente Negro. A África estava nos seus sonhos, pois o seu próprio irmão, como religioso, juntou-se aos Padres Brancos e passou vários anos no Congo. Naquela terra de profundo sofrimento, foi espancado pelos rebeldes e forçado a regressar à Itália, onde morreu pouco depois, após os ferimentos. Padre Paolo, em outras palavras, tinha verdadeiramente o espírito missionário no DNA de sua família. E de facto foi missionário desde o nascimento, um homem nascido para a missão e para as missões. Foi um homem aberto a todas as novas experiências e livre de medos, pronto a qualquer momento a partir para ir até aos confins da terra, como diz o Evangelho, seguindo e vivendo a admoestação do Fundador de se sentir em casa em qualquer lugar, porque «O o mundo inteiro é sua pátria." A sua terra de origem foi a Lombardia, a mesma região do norte da Itália onde nasceu o Fundador. Padre Paolo nasceu em Pioltello, perto de Milão, no dia 17 de novembro de 1943. O padroeiro da sua igreja paroquial era Santo André, um dos primeiros discípulos chamados por Jesus para se tornarem pescadores de homens. 

E precisamente seguindo os passos de Santo André, Padre Paolo abandonou muito cedo as redes de pesca para dar toda a sua vida em nome do Evangelho. Ainda jovem tornou-se um dos filhos espirituais de Dom Guanella. Em setembro de 1961 iniciou o noviciado em Barza d'Ispra e em 24 de setembro de 1963 fez a primeira profissão entre os Servos da Caridade. Anos excepcionais, os do nascimento da sua vocação, porque precisamente nessa fase o Padre Paolo teve a oportunidade de participar na beatificação do Fundador (1964) e na gloriosa peregrinação do corpo do Fundador ao Norte da Itália (1965). Esses mesmos anos foram também excepcionais por mais dois motivos: o acontecimento do Concílio Vaticano II - com o seu poderoso anseio de renovação da Igreja universal - e a presença no seminário onde formava professores altamente qualificados, que acompanharam e fortemente apoiou seu crescimento espiritual e cultural.

No dia 19 de dezembro de 1970, aniversário do Fundador, o Padre Paolo foi ordenado sacerdote em Milão pelo Cardeal Arcebispo Giovanni Colombo. Recebeu a primeira obediência como sacerdote e foi enviado a Milão, ao Instituto San Gaetano. Depois de três anos, em 1973, foi transferido para Chiavenna para substituir o Padre Pellegrini no cargo de superior local daquela comunidade, onde permaneceu nove anos. Novas obediências levaram-no então aos confins da terra e, além disso, ao contacto com os mais pobres. O seu longo caminho missionário levou-o à América do Sul, à América do Norte, até chegar à Ásia: em comparação com diferentes países e culturas, diferentes línguas, climas e espiritualidades. E, no entanto, apesar da extrema variedade de experiências que viveu, sempre soube permanecer ele mesmo: um homem sempre disponível para os outros, aberto ao diálogo e ao encontro, apaixonado pela sua missão, totalmente dedicado a ela através do trabalho e da oração. Padre Paolo também foi apoiado por uma personalidade forte e uma força de vontade inabalável, que o apoiou e guiou até o fim. Quando o seu corpo deixou de apoiá-lo no seu trabalho incansável, ele disse: “Já fiz o suficiente tanto pelos pobres como pelo culto em honra de São José” e pediu para regressar à sua província natal. Na verdade, ele queria morrer em Como, ao lado do Fundador que tanto amava.

Testemunha brilhante e defensor da devoção de Dom Guanella a São José, Padre Paolo deixou uma marca concreta nos Estados Unidos, dando um forte impulso ao centro local da Pia União do Trânsito de São José. Através do seu empenho constante revitalizou e animou a actividade da Pia União, inicialmente apenas sonhando e depois planeando concretamente uma cidadela dedicada ao culto de São José na qual um lugar e uma atenção muito especiais eram reservados aos fiéis latino-americanos: um povo. que, pela sua língua e cultura, seguiram o Padre Paolo com absoluta paixão e resultados intensos e participativos. E precisamente “evangelização” é a palavra que acompanhou o Padre Paolo ao longo da sua vida. A evangelização vem da escuta. Muitos de nós lembramo-nos dele, de facto, como um homem de oração e de estudo, mas ainda mais como um homem de escuta e de discussão. Nunca foi um evangelizador preguiçoso e chato, cansativo e repetitivo, mas sempre entusiasmado com a mensagem cristã. Toda a sua existência e o seu exemplo convidam-nos, portanto, a tornar-nos homens constantes e sempre prontos à escuta dos outros, a uma escuta sempre actualizada, informada e em sintonia com os tempos, para que o modo como o Evangelho é pregado soe ao fiel como um anúncio sempre novo e surpreendente, sempre capaz de atrair e despertar as pessoas da passividade e do torpor da nossa época.

Na verdade, sabemos muito bem que quando anunciamos algo de forma mecânica, repetitiva, banal e chata, não chegamos a lugar nenhum. As pessoas não se inclinam facilmente a ouvir, mesmo quando o que dizemos é importante e verdadeiro. Consequentemente, a forma como pregamos é igualmente importante para uma boa e eficaz proclamação do Evangelho. Mas há outro sinal e dom inequívoco que o seu sacerdócio nos deixou: a sugestão de que a melhor forma de evangelizar as pessoas é estabelecer um contacto profundo, empático e pessoal com os ouvintes que temos diante de nós. É uma forma direta e humilde de se aproximar dos outros, que não requer meios tecnológicos nem artifícios intelectuais, mas é de fato o caminho mais eficaz para chegar ao coração das pessoas. Porque embora hoje tudo pareça ter se tornado automático e informatizado, ou seja, artificial, as relações humanas permanecem ou deveriam permanecer sempre simples e íntimas.

Ninguém pode anunciar o Evangelho se não souber relacionar-se com as pessoas, se tiver tendência a fechar-se a elas e se recusar a comunicar com as pessoas. Por fim, há um último aspecto que merece destaque na “Guanelianidade” do Padre Paolo. A sua evangelização partiu sempre dos menos afortunados, dos últimos da terra. Porque apesar do dever de anunciar o Evangelho a todos, como Deus não divide as pessoas em grupos diferentes, certamente ama primeiro os menos dotados. Na verdade, Deus tem uma predileção particular por estes últimos, embora não discrimine de forma alguma. Padre Paolo aprendeu com o Fundador que Deus dirige o seu amor antes de tudo para os menos considerados, os que estão à margem, os habitantes das periferias existenciais e urbanas. É uma injustiça intolerável que uma parte da humanidade esteja sempre à margem, privada da possibilidade de viver com dignidade igual à concedida aos outros seres humanos. Até o Padre Paolo, depois de ter passado a vida entre as “belezas de Deus”, foi testado no corpo e na alma. Ele teve que enfrentar uma doença que nos dobra e nos derruba, uma doença que revela quem você é em carne e osso, o que você sente e de que matéria somos feitos. E a todo este fardo de sofrimento o Padre Paolo respondeu com alegria, deu uma resposta digna do crente generoso e do homem consagrado a Deus ao serviço dos mais pobres que sempre foi.

Nós, Servos da Caridade, somos muito pequenos, quase os últimos, e durante este centenário teremos o privilégio de acender a chama da caridade numa das nações mais pobres do mundo, as Ilhas Salomão. Com este pequeno passo concretizamos de alguma forma a vocação do nosso Fundador, que sempre alimentou o desejo de ir anunciar o Evangelho até ao fim do mundo, mas que não foi capaz de o fazer plenamente enquanto ainda estava vivo. Felizmente, a sua mensagem continua a arder dentro de nós e a espalhar-se por todos os cantos da terra: hoje, nós, seus filhos espirituais, somos capazes de realizar concretamente o que Ele só poderia desejar. Por isso estamos convencidos de que ele reza por todos nós desde o céu e continua a observar com olhares de ternura e predileção os membros da Pia União espalhados pelos cinco continentes do nosso planeta.

Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G