Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G
itenfrdeptes

Compartilhe nosso conteúdo!

As genealogias evangélicas,
aparentemente áridas, revelam uma
verdade tão próxima: o Filho de Deus tornou-se homem como nós, por nós 

de Mons. Silvano Macchi

CCom esta série de artigos, que perseguem um tema comum, Mistérios da vida de São José, Proponho-me ir à raiz de cada tradição, culto, devoção, imagem do santo Patriarca, isto é, aprofundar o testemunho dos evangelhos canónicos sobre ele. estou falando sobre Mistérios e quero dizer esta palavra em seu significado original; na verdade «mistério» (do grego mistério) não significa “aquilo que não se compreende”, mas sim “aquilo que se revela e que nunca deixamos de compreender”. 

O primeiro texto evangélico em que José é mencionado é Mt 1, 1-17, ou seja, a genealogia de Jesus como verdadeiro filho de Abraão e José. Este texto é o “terror” dos ouvintes (e também dos comentaristas e pregadores). Na verdade, é uma façanha lidar com uma série tão longa de nomes incomuns e herméticos. 

Por outro lado, o evangelista não pretende fornecer uma lista precisa dos antepassados ​​de Jesus. A sua intenção é teológica e não historicista. Este texto de Mateus está claramente orientado para a cristologia: isto é, oferece a “carteira de identidade” de Jesus, inserindo-o na linhagem (real e messiânica) de David e na de Abraão (Jesus Cristo filho de David, filho de Abraão). , como ponto de partida da história de Israel. Aqui pela primeira vez encontramos o nome de José: «Jacó gerou José, esposo de Maria, da qual nasceu Jesus chamado Cristo».

Visto que a genealogia de Mateus começa em Abraão e desce até Jesus, podemos dizer que neste aspecto ela aparece como um renascimento do livro de Gênese, onde várias genealogias são encontradas diversas vezes: de Adão a Noé, de Noé a Abraão e, finalmente, de Abraão a Davi. Já na genealogia de Mateus a genealogia “real” tem uma importância decisiva, de David a Jesus, filho de David.

Através de três séries de 14 gerações (duplo 7), Mateus resume a preparação para o nascimento do Messias, filho de Maria que por sua vez é esposa de José, descendente de Davi. O facto de o filho de Maria ter sido concebido pelo poder do Espírito Santo não exclui, mas exige que ele também tenha uma genealogia humana. E será José, e não Maria, quem dará um nome e uma identidade a Jesus, e assim o inscreverá na história humana. 

Jesus é concebido por obra do Espírito Santo, vem do céu, mas deve entrar na família humana, deve ser acolhido na vida dos filhos de Adão, deve participar na sua história por vezes infeliz e incerta, e isto só acontece graças a Joseph. 

Este é o sentido da tarefa que lhe foi confiada: dar um “nome” ao filho de Maria; desta forma o filho é inscrito na série de gerações e torna-se herdeiro das promessas feitas por Deus aos pais. É uma genealogia humana que nos permite dar um nome, um reconhecimento ao Filho de Deus concebido por obra do Espírito Santo, e com esse nome declarar o propósito da sua vinda, ou seja, o cumprimento das antigas promessas . Sem entrar nos intrincados detalhes da passagem, a intenção do Evangelho é inserir Jesus, o Filho de Deus feito carne, numa história humana; história de santidade e pecado.

É uma história humana “aberta” no início e no fim. Começa com Abraão, de quem não se diz de quem ele é filho. Na verdade, diz-se: «Abraão gerou Isaque, Isaque gerou Jacó, Jacó gerou Judá...» mas quem gerou Abraão? Portanto, no final não se diz que José “gerou”, mas conclui dizendo que Jesus nasceu de Maria. “De cima” não se sabe quem é o pai que gera Abraão, só Deus sabe; “abaixo” não é dito se José gera alguém. 

Segundo a genealogia de Mateus, isto significa que a história humana se apresenta como uma abertura à origem e ao fim. Poderíamos dizer que é a história da génese de um mundo novo, de uma nova criação, no início e no fim da qual há uma pessoa concreta: Jesus chamado Cristo, o esperado de Israel e de todos os povos do terra. Não há Deus sem um homem que o espere e o reconheça; vice-versa, não há homem sem Deus que o desperte e o redima de uma história confusa e até escandalosa (não exatamente uma boa história!). Estamos, portanto, diante de uma teologia da história muito concentrada, cujo sentido supremo é gerar Jesus Cristo. A humanidade existe para gerar Jesus e José faz parte desta humanidade, não marginalmente. 

Claro que com ele se quebra o paradigma das gerações. José não gera; ele é marido de Maria, mas Cristo é gerado por Deus (e por Maria). Será explicado mais tarde o que José deverá fazer; por enquanto é ele quem não gera.

Em tudo isso há um significado espiritual a ser adquirido. É um convite a redescobrir na fé a memória dos nossos pais, a memória do nosso passado. Hoje esta memória está muito em risco: só vivemos o presente; o passado, porém, ficou para trás, a ponto de considerá-lo um dado adquirido, sem nada a dizer. Na realidade, no nosso passado, nas nossas origens, está inscrita uma promessa de vida, tal como acontece com cada criança perante um pai e uma mãe, um avô e uma avó. Recordar a genealogia da fé é, portanto, uma condição indispensável para poder confessar a verdade do Filho de Deus e de Maria, e assim participar no mistério da Encarnação, que leva à geração de Jesus em nós, em mim.  

Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G