Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G
itenfrdeptes

Compartilhe nosso conteúdo!

por Andrea Ciucci

Um dos principais objetivos das férias é mudar o ritmo dos dias, encontrar momentos para descansar e fazer coisas que o dia a dia normalmente não permite, a começar por estarmos juntos em família de uma forma mais descontraída e descontraída. Juntamente com o horário diário, a residência, as empresas e os menus, a oração também pode mudar durante as férias, aliás esta mudança constitui um enriquecimento fecundo que merece ser aproveitado ao máximo.

Imerso nas maravilhas da natureza

Muitas vezes, durante as férias, você visita lugares particularmente bonitos e mergulha na natureza. Basta parar um momento e a majestade de certos panoramas tira-nos o fôlego, dá-nos paz, produz espanto e por vezes emoção. Somos facilmente levados a agradecer ao Senhor pelas maravilhas da criação e a refletir sobre a nossa pequenez. Estes são os momentos certos para pequenos mas intensos momentos de oração com toda a família reunida. Sob um magnífico céu estrelado dizemos ao Senhor quão grande Ele é e, se aprendemos a rezar com os salmos, antes de dormir lemos o Salmo 8 que narra o espanto do homem diante de um mistério tão grande como o universo. Durante uma viagem às montanhas podemos repetir o versículo do Salmo 18 que diz “Senhor, minha rocha, minha fortaleza, meu libertador, meu Deus, minha rocha, em quem me refugio; meu escudo, minha poderosa salvação e meu baluarte." E se tivermos a graça de testemunhar um nascer ou um pôr-do-sol, podemos fazer nossas as palavras do Salmo 113: “Desde o nascimento do sol até ao seu pôr-do-sol, seja louvado o nome do Senhor”.
Se não estamos familiarizados com os salmos ainda podemos parar com toda a família para um momento de silêncio diante da beleza incomparável da natureza e louvar ao Senhor por todas as coisas belas. Certamente algumas crianças se lembrarão de uma frase do Cântico das Criaturas de São Francisco: “Louvado sejas, meu Senhor, por...”.

Diante da beleza da arte

As férias, juntamente com o descanso, oferecem muitas vezes a oportunidade de visitar pequenas e grandes obras-primas, que embelezam o nosso país. Grande parte da arte italiana e europeia está ligada à experiência cristã: igrejas, mosteiros, pinturas, estátuas, afrescos... cada episódio da Bíblia foi pintado e retratado!
Porque não concluir uma visita artística com um pequeno momento de oração que se inspire na cena evangélica que vimos retratada e que procuramos recordar com diversos detalhes? Por que não dar voz à emoção que surge ao ver certos crucifixos que representam toda a dor sofrida por Jesus por nós? Por que não dizer em voz alta o nosso desejo de participar também nas fileiras de santos que vemos representados em certos afrescos? Por que não rezar uma Ave-Maria diante de uma bela representação da Virgem?
É preciso muito pouco, apenas um minuto de reflexão e algumas palavras simples. A arte sacra nasceu não para encher os museus, mas para ajudar os cristãos a recordar as maravilhas que o Senhor realizou em nós e a louvá-lo, agradecê-lo, rezar-lhe. E se o momento não permitir, basta parar no final do dia e convidar todos, jovens e velhos, a relembrar quais episódios da vida de Jesus vimos nas obras de arte observadas e fazermos uma oração juntos .

Dentro de uma história intensa e verdadeira

Não são poucas as famílias que aproveitam as férias para regressar aos seus países de origem ou enviar os filhos para a casa dos avós no campo. São oportunidades preciosas para transmitir a história de fé das nossas famílias. Só não se limite à vertente folclórica das festas e procissões dos padroeiros e, acima de tudo, convide as gerações mais jovens a entrar numa história milenar. Uma história que deve antes de tudo ser contada, como os contrapontos de São Francisco. Os mais novos provavelmente não compreenderão gestos e tradições centenárias e rejeitarão práticas que lhes são muito distantes, mas o encanto da história dos avós certamente os intrigará e questionará.
Naturalmente o mesmo se aplica à visita a um santuário ou mosteiro: não nos detemos no aspecto artístico ou turístico. Pedimos informações sobre a história do lugar, sobre os santos que o habitaram, sobre as mensagens evangélicas que ali ressoaram fortemente durante séculos. Se possível participamos em alguns momentos de oração, para partilhar a nossa fé comum com as pessoas que vivem e animam o lugar.
Esta última indicação aplica-se também à missa dominical durante as férias, que às vezes corremos o risco de perder precisamente pela mudança de ritmo que nos faz perder bons hábitos. A pior maneira de vivenciar a Missa é participar anonimamente. Pelo contrário, acontece o contrário: quando vamos à missa numa igreja nova, chegamos alguns minutos mais cedo, apresentamos-nos ao padre, aproveitamos para ler os avisos paroquiais e folheamos o cancioneiro para descobrir como vive aquela comunidade. e canta o Evangelho. E se um dos filhos for coroinha em casa, convidamo-lo para servir a missa fora também. Nos sentiremos, nos sentiremos parte de uma grande família.

Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G