Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G
itenfrdeptes

Compartilhe nosso conteúdo!

de Madre Anna Maria Cánopi

“Todo mundo vem até você”, ele canta novamente
a liturgia; mas esse “ir”
está sempre no começo, está sempre precisando
ser empurrado novamente

No limiar do novo ano encontramos, acolhendo-nos, com um sorriso tranquilizador, Aquela que o Concílio de Éfeso reconheceu plenamente como “Mãe de Deus”. Como um trono humilde e ao mesmo tempo muito alto, ela segura o Rex Pacificus de joelhos. Felizmente, portanto, a Igreja optou por celebrar o “dia da paz” no dia 1º de janeiro.
Quase tomados pela mão e guiados por Maria, partimos, portanto, pelos caminhos deste novo espaço de tempo que o Senhor nos dá para voltar a Ele de todo o coração.
A liturgia faz-nos parar novamente na gruta de Belém, onde encontramos a Virgem Mãe que, depois da visita dos pastores, medita no seu coração o que se passa à sua volta e o que se diz do Menino que tem nos braços.

Esta sua atitude faz dela um belo exemplo de escuta, oração e meditação para nós. Lá na gruta, em contemplação silenciosa, ela já parece contemplar, refletida nos olhos de Jesus, a história de toda a humanidade ainda inconsciente de ter um Salvador, e por isso mesmo necessitada da sua ajuda materna para se orientar para ele .
E aqui, no auge do tempo do Natal, a solenidade da Epifania: festa de luz na qual brilha a plenitude do mistério da Encarnação, tal como o Pentecostes em referência ao mistério pascal.
A Igreja – lumen gentium – abre todas as suas portas para que a luz de Cristo se espalhe por todo o universo e envolva e penetre tudo e todos. Ela se sente protagonista deste “acontecimento”, por isso se enfeita como uma noiva que convida todos à alegria. Nesta celebração ressoam as palavras de Isaías com toda a sua força e beleza:
«Levanta-te, veste-te de luz, porque a tua luz chegou, a glória do Senhor brilha sobre ti. O povo caminhará na tua luz...” (60,1-3).
O universalismo inaugurado por Cristo é assim apresentado na brilhante linguagem profética. Este aspecto da universalidade é realçado na liturgia sobretudo através da interpretação do acontecimento que agora caracteriza a festa da Epifania: a adoração dos Magos. Nas três personagens que vieram de regiões distantes, seguindo a orientação da estrela que lhes apareceu, queríamos ver, desde os primeiros séculos do cristianismo, o apelo de todos os homens à salvação. Todas as fronteiras do exclusivismo nacionalista são assim demolidas: o Deus de Israel, nascido homem da linhagem de David, nascido em Belém de Judá, manifesta-se como Deus e Salvador de todos os habitantes da terra e torna-se o primeiro cidadão de uma novo povo constituído e estabelecido por ele – pela lei do amor – na unidade.
A estrela, que guia os Magos no seu caminho, enriquece esta festa não só de beleza poética, mas também de força teológica: nela vemos o símbolo da fé que ilumina interiormente os homens para os conduzir ao conhecimento e ao encontro com Deus.
«Vimos a sua estrela no oriente e viemos adorá-lo», dizem os magos. A estrela é portanto o sinal, a radiação da luz imortal que é Cristo. Constitui também, pode-se dizer, uma prova do poder divino do Menino nascido em Belém, pois com o seu brilho e a sua parada sobre a cabana ele "confessa" a Deus, enquanto canta um hino da celebração e, ao confessá-lo , presta-lhe homenagem a partir de parte de todos os corpos celestes: «O que era então esta estrela – escreve Santo Agostinho – que nunca antes tinha sido vista entre as estrelas, senão o magnífico louvor do céu que assim proclamava a glória de Deus? ».
O Deus encarnado se manifesta não apenas à humanidade, mas a toda a criação. E assim como os magos - a humanidade - vendo a estrela brilhar internamente, saltam de alegria e se movem em direção à fonte de luz, assim certamente, mesmo que de uma forma que não pode ser percebida por nós, o cosmos salta de alegria com o aparecimento do Cristo e tudo convergem para ele, como em torno de um centro de gravitação planetário.
«Todos vêm até ti», canta ainda a liturgia; mas esse “ir” está sempre no começo, sempre precisa ser empurrado novamente. Por isso a coleta da festa nos faz pedir: «Ó Deus que neste dia, com a orientação da estrela, revelaste ao povo o teu Filho único, leva-nos também a nós, que já te conhecemos pela fé, a contemplar o grandeza da tua glória." Além do símbolo da estrela, a liturgia da manifestação do Senhor apresenta o símbolo dos dons que os magos oferecem ao Messias: o ouro é oferecido a Jesus como sinal da sua realeza; incenso – que indica adoração e adoração – como sinal de sua divindade; mirra como sinal da sua verdadeira humanidade e como presságio da sua Paixão, morte e sepultura. Com seus presentes, porém, os magos também se oferecem. Significativo é o facto de terem sido muitas vezes representados no acto de colocar as suas coroas aos pés do Menino, reconhecido como o único e verdadeiro Rei de todos os povos, a quem devemos o respeito da fé, da obediência e do serviço humilde.
O mistério contemplado na Epifania é apenas o início da “manifestação” do Senhor; expande-se imediatamente durante o ano litúrgico, em outros dois acontecimentos importantes da vida de Cristo: o seu batismo e o seu primeiro milagre realizado em Caná, como canta a bela antífona gregoriana que, com um olhar contemplativo, os une na mesma luz: « Três milagres ilustraram o dia santo que celebramos: hoje a estrela conduziu os magos ao presépio; hoje a água foi transformada em vinho no banquete de casamento; hoje Cristo quis ser batizado por João no Jordão para nos salvar.
Com liberdade sobrenatural, a liturgia supera as leis históricas e apresenta numa síntese maravilhosa os vários aspectos do único mistério salvífico de Cristo. Mas há mais: daquele hoje extratemporal, aqui passa esplendidamente para uma interpretação mística dos fatos: «Hoje a Igreja uniu-se ao Esposo celestial, pois Cristo lavou as suas impurezas no Jordão: os magos correm com presentes para os presentes de casamento, e os convidados alegram-se com a transformação da água em vinho. Aleluia".
Tudo está unificado: dos três acontecimentos separados no tempo só se destaca agora a alegria das núpcias reais da Igreja – da humanidade redimida – com a Pessoa divina do Verbo encarnado.
A liturgia do Batismo do Senhor - no domingo seguinte à solenidade da Epifania, bem como a dos domingos imediatamente seguintes - continua, portanto, a desenvolver o tema da manifestação do Senhor. Depois de estar em Belém, aqui estamos às margens do Jordão onde João Batista está batizando. Jesus está no meio da multidão e se apresenta ao Precursor como um simples israelita para receber dele o batismo de purificação.
Este acontecimento coloca-nos diante de um chocante mistério de humildade. O Filho de Deus não apenas se tornou homem, mas assumiu o peso e a responsabilidade do pecado do homem de todos os tempos, para se apresentar ao Pai na condição de filho arrependido que começa a trilhar o caminho do retorno.
No episódio do Baptismo, de facto, a missão salvífica de Jesus já está claramente delineada: já saiu da casa e oficina de Nazaré, onde durante cerca de trinta anos se dedicou às "coisas do Pai", santificando em sua vida diária. Agora seu trabalho está sendo concluído rapidamente. É o próprio Pai quem o tira das sombras e nos mostra-o, proclamando-o seu Filho amado e seu Servo fiel.
No grito de João: “Eis o Cordeiro, eis aquele que tira os pecados do mundo”, já há um prenúncio do mistério pascal, isto é, do novo batismo, verdadeiramente regenerador, que o sofredor “Servo de Deus” inauguraria com seu batismo de sangue.
Nas águas do Jordão, Jesus não recebe simplesmente um baptismo de purificação - não precisava disso - mas recebe uma investidura solene: é abertamente constituído Messias pelo Pai e manifestado ao mundo como tal.
Portanto, quem o encontra se depara agora com uma escolha radical: aceitá-lo e segui-lo ou rejeitá-lo e continuar esperando na estrada deserta por alguém que já passou.
João Baptista, que teve a incrível aventura de baptizar o Imaculado Cordeiro de Deus, foi o primeiro a reconhecê-lo e a testificá-lo: «Contemplei o Espírito descendo como pomba do céu e permanecendo sobre ele. Eu não o conhecia, mas aquele que me enviou para batizar nas águas me disse: “Aquele sobre quem você vê o Espírito descer e permanecer, esse é quem batiza no Espírito Santo”. E eu vi e testifiquei que este é o Filho de Deus” (Jo 1,32-34).
Ele é o Filho de Deus. Nem sombra de dúvida. E ele!
Vêm-me à mente as palavras dos anjos aos pastores de Belém: “Encontrareis um menino envolto em panos e deitado numa manjedoura”. Aqui está o sinal de que é ele. E também me vem à mente o sinal dado aos Magos: onde a estrela parou, ele estava lá.
Mas para vê-lo e reconhecê-lo é preciso olhar além das aparências, é preciso ter dentro de si uma luz sobrenatural, a da fé.

Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G