Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G
itenfrdeptes

Compartilhe nosso conteúdo!

por Gianni Gennari

Comecemos novamente com Abraão, o fundador da fé judaico-cristã. É aquele que “acreditou” numa palavra de Deus criador e partiu, abandonando tudo, rumo a uma realidade desconhecida, forte na escuta do chamado como base e fundamento seguro (o primeiro sentido de “acreditar”, batàh) e confiante no impulso confiante que o impulsionou (o segundo sentido de acreditar, aman), como vimos em reuniões anteriores.

 

A aventura de Abraão.

Abraão e a sua fé - na última vez mencionei o paralelo com Maria que ouve o anúncio do chamado e a partir dele se sente imediatamente confiante em se mover para ajudar Isabel - o que o faz partir rumo ao desconhecido: ele confia e chega. . Como Moisés então, como todos os profetas, como Maria, precisamente, como os Apóstolos, como deveria ser para todos os batizados, conscientes do dom recebido e movendo-se em direção aos irmãos aos quais o comunicam...
Não vou parar aqui para recordar as vicissitudes de Abraão, o desejo frustrado de um filho, finalmente concretizado em Isaque, a chamada “prova” do capítulo 22 do Gênesis, que parece ser a confirmação de um antigo e atroz culto religioso - o sacrifício das primícias, incluindo as crianças, às divindades pagãs - e na fé judaico-cristã é a irrupção de algo novo: Deus já não pede sacrifícios humanos, como todos os ídolos deste mundo, religiosos e não religiosos. -religioso, continuará a fazê-lo durante milénios, mas só quer ouvir e ter fé... Eis então a maravilhosa leitura da passagem dos Padres da Igreja, e em particular de Santo Agostinho: “o que Deus fez não pedir a Abraão (ou seja, o sacrifício de seu filho, Isaque, no madeiro erguido no topo da montanha, Ed.) Ele o fez por nós, oferecendo seu Filho, no monte e no madeiro da Cruz, por a salvação do mundo...
Abraão é o início da resposta de Deus ao pecado do homem: ele é o pai de todos os crentes, e sua linhagem, gradativamente, continua o caminho narrado nos livros do Pentateuco, os 5 primeiros do Primeiro (ou Antigo) Testamento, até Moisés, a quem é revelado e dado o novo Pacto de salvação.

Um Deus diferente daqueles inventados nos mitos e ritos pela necessidade humana

A revelação de Deus, portanto. Não é mais um Deus que precisa dos nossos “rituais”, com quem devemos nos insinuar para nos proteger dos acontecimentos na luta com os acontecimentos e com as forças da natureza e dos outros homens vistos como inimigos a serem eliminados... Não é mais um Deus que nós utilizar a criação de “mitos” úteis para explicar os fenômenos do desconhecimento da natureza...
Mitos e ritos: seria uma longa discussão, mas no fundo quero dizer que todas as religiões inventadas pela necessidade humana de conhecer e dominar o mundo foram, ao longo dos séculos, um complexo de “mitos” e “ritos” : o primeiro servia para explicar fenômenos naturais – raio, vento, tempestade, atração homem-mulher, etc. – e esta última serviu para dominar as forças da natureza que ameaçavam destruir os homens e as suas civilizações, pouco a pouco, e com dificuldade, construídas ao longo das gerações…
Mito e ritual como essência de todas as chamadas religiões naturais, isto é, criadas pela necessidade humana de explicar o mundo e direcionar suas energias para nossa utilidade...
Seria uma longa discussão, mas este não é o lugar. O Deus único, criador do céu e da terra, isto é, de tudo, depois do uso negativo da liberdade do homem que quis cortar o fruto da árvore do bem e do mal para tomar posse dele e ocupar o lugar de Deus - “você vai seja como Deus!” é a promessa do inimigo, “a serpente”, na história de Gênesis 3 – ele prometeu redenção e salvação através de uma Mulher e sua geração, e depois de outros eventos que descrevem a negatividade da separação do homem Dele – capítulos 4 a 10 do Gênesis, de Caim e Abel ao dilúvio etc. – revela-se na história a Abraão (Génesis 11) e chama-o a um caminho de fé e de fidelidade à promessa continuamente renovada, apesar das hesitações e das infidelidades.
Na nova fé revelada - de Abraão a Moisés, aos Profetas, a João Baptista e finalmente a Jesus de Nazaré, e até nós - não haverá lugar para "mitos" e "ritos" no sentido acima mencionado: não explica ao homem como se dá o mundo criado em seus acontecimentos naturais - os mitos - e, portanto, não é e nunca será uma alternativa à ciência, que se constrói com a pesquisa racional do homem sobre a natureza, nem garante o domínio do próprias forças naturais, para as quais o homem terá o instrumento da tecnologia. As religiões naturais, inventadas pela necessidade humana de explicar e dobrar o mundo, têm "mitos" e "ritos": a nova fé, primeiro judaica e depois judaico-cristã, purificando-se gradualmente dos resíduos da religiosidade natural, não terá "mitos " e “ritos”, no referido sentido rival da ciência e da técnica… De Abraão que inicia o caminho rumo ao desconhecido ouvindo a voz que chama a partir, a Moisés que também escuta e dá os primeiros passos da nova fé revelada…

A nova revelação (ainda velada) a Moisés: eu estou aí, estou contigo

Moisés, portanto. Para ele primeiro o início da revelação definitiva no capítulo 3 do Êxodo. Ele é objeto da surpresa divina: na montanha vê a sarça que arde sem se consumir e escuta “a voz”, aquela voz que lhe ordena que liberte o seu povo. Mas quando pede saber o “Nome”, para poder referi-lo aos futuros interlocutores, aos poderosos que mantêm prisioneiro o povo a salvar, a resposta é ao mesmo tempo negativa e positiva. Negativo num primeiro sentido: Deus não lhe revela o seu nome. “Eu sou o que sou” (em hebraico “anoki hehjeh asher hehjeh” é de alguma forma uma recusa. Se alguém me perguntar “para onde você vai?” e eu responder “Estou indo para onde estou indo” eu não Não respondi, mas eu lhe disse que o lugar para onde vou não lhe diz respeito, pelo menos no momento. E então aquela resposta: “Eu sou o que sou” não satisfaz no que diz respeito à revelação do “nome”, mas. é apenas a primeira parte da resposta divina, porque continua: “Estou contigo!”
É verdade que ao longo dos séculos, sobretudo por influência da filosofia grega e depois também da filosofia cristã, pensou-se que aquela resposta indicava o Ser infinito em sentido metafísico, o Absoluto divino em contraste com a finitude das criaturas e seus relativos. fragilidade, mas num sentido estritamente bíblico que a revelação não é a solução de registro da identidade divina, mas a garantia de uma presença, de uma companhia, de proteção na aventura salvífica que se inicia, e que depois dos acontecimentos egípcios no caminho rumo à Terra Prometida revelar-se-á de uma maneira nova na Aliança do Sinai. Deus, o Deus criador do céu e da terra, o Deus que não se resignou ao pecado do homem - criado à sua imagem, isto é, na misteriosa pluralidade do homem e da mulher - que ainda quis chamar à salvação, e desenhou o Ando pelo chamado de Abraão e agora com a missão de Moisés revela Sua vontade na Aliança…

Pensou em parar e reler: seguir em frente

Na época: eu sei que coloquei muitos ferros no prato dos meus leitores desta revista. Eu sei que são coisas difíceis e o que é mais resumido em poucas linhas. Sei que muitas dúvidas vêm à cabeça de quem lê e tenta entender, mas peço paciência. Estamos no ponto decisivo em que começaremos a desenhar - ou tentaremos fazê-lo - o rosto de Deus revelado na Palavra que para nós é toda a Escritura, com a sua história de textos e interpretações ao longo dos séculos, com a progresso de compreensão que o Conselho representou esplendidamente no n. 8 da “Dei Verbum”, a Constituição dogmática sobre a Revelação, juntamente com a da Igreja e com a Gaudium et Spes, a verdadeira e preciosa novidade do precioso legado do Vaticano II, definido por João Paulo II como “a maior graça do Santo Espírito à Igreja do século XX", e estrela-guia do caminho que Bento XVI declarou desde o início do seu pontificado que queria continuar... Com confiança, convido os leitores a esta tentativa de explicação, que envolverá o escritor e o leitor, desde há muito tempo, a procurar e a reler os textos do Concílio, a partir do luminoso discurso de inauguração de João XXIII, em 11 de outubro de 1962 (“Gaudet Mater Ecclesia”), e gradualmente a relembrar e a desfrutar… Vejo você na próxima vez.

Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G