Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G
itenfrdeptes

Compartilhe nosso conteúdo!

Publicamos a nota emitida pelo CEI.

Não é uma técnica. É um esforço comum chegar a tomar decisões em conjunto. Um esforço empírico que se concretiza ao longo do caminho. O Caminho Sinodal, parafraseando Antonio Machado, só se faz caminhando. Lado a lado: Igrejas Locais, Escritórios e Serviços da CEI, Comissão Nacional. “A fase de sabedoria é muito importante porque os sujeitos envolvidos na escuta são agora consultados para identificar propostas e escolhas operacionais”, sublinhou Dom Giuseppe Baturi, Secretário Geral da CEI, apresentando o trabalho do Comité Nacional do Caminho Sinodal. , que – moderada por Dom Claudio Giuliodori, membro da Presidência da Comissão – teve lugar em Roma nos dias 24 e 25 de fevereiro. “O caminho – disse Dom Buri – deve visar um impacto efetivo: a escuta deve tornar-se a razão do governo. A participação e a corresponsabilidade devem permear a Igreja em vários níveis”.
Nos próximos meses, à medida que se aproxima a conclusão da fase de sabedoria, de facto, os vários caminhos convergirão num único caminho rumo às escolhas proféticas esperadas para o final da primavera de 2025. Na certeza de que, como sublinhou Monsenhor Valentino Bulgarelli, Secretário do Comité, “não existem processos paralelos, mas sim um trabalho partilhado entre leigos, sacerdotes e bispos para ajudar a amadurecer a Tradição ao serviço das Igrejas locais”.
A própria essência do Comité, na sua pluralidade de competências, biografias e origens, é uma expressão do desejo de unir todos. Dividida em cinco Comissões - “A missão segundo o estilo de proximidade”, “Linguagem e comunicação”, “Formação na fé e na vida”, “Corresponsabilidade e ministerialidade”, “A mudança de estruturas” -, tem como missão identificar as “condições de possibilidade” para o anúncio do Evangelho neste tempo. As contribuições, experiências vividas e propostas imaginadas pelas Dioceses serão incluídas nas reflexões, previstas para o final de abril. Um grande discernimento eclesial que conduzirá à Assembleia Geral da CEI em maio de 2024: “nos últimos meses – explicou Dom. Erio Castellucci, Presidente do Comitê – será elaborado um resumo de todas as contribuições desenvolvidas nos diferentes níveis e será levado à Assembleia Geral da CEI prevista para maio. Enriquecido pela discussão entre os Bispos, este será apresentado ao Conselho Permanente em setembro e servirá de base para a primeira assembleia sinodal prevista para 15 a 17 de novembro de 2024”. “De meados de novembro de 2024 até fevereiro de 2025 – continuou – as Igrejas locais poderão enviar indicações, sugestões e observações em vista da segunda assembleia sinodal, que se realizará de 31 de março a 4 de abril de 2025”. Destes passos surgirá aquela visão global que, depois da Assembleia Geral de maio de 2025, será devolvida às Igrejas particulares, iniciando a fase de acolhimento.
Os primeiros insights que surgiram da discussão dentro das Comissões foram importantes. A missão não é o proselitismo, mas sim a essência constitutiva da Igreja convocada por Deus para contribuir na realização do seu sonho para toda a família humana. Uma consciência de si mesmo e da sua relação com o mundo – na perspectiva do Concílio – que deve encontrar expressão em todas as formas de linguagem com que a comunidade eclesial se comunica e se comunica. De técnica estratégica, a comunicação torna-se, portanto, uma prova da capacidade da Igreja de encarnar-se na realidade. Nesta linha, a formação é confiada a toda a comunidade que tem como referência a pedagogia de Jesus. Daí a necessidade de ir além do modelo escolar de iniciação cristã, do reequilíbrio do esforço entre esta e a educação de jovens e adultos. , a atualização da formação dos sacerdotes através do desenvolvimento da ideia de comunidades vocacionais, a criação de espaços comuns de formação entre leigos e sacerdotes e presbíteros e bispos, o cuidado da aliança educativa. No que diz respeito à corresponsabilidade, como complemento ao discernimento, surgiu a necessidade de realizar estudos aprofundados sobre algumas questões específicas, como os órgãos de participação e os vários ministérios. É neste quadro que se insere a mudança de estruturas que não significa apenas a utilização de bens materiais, mas o amadurecimento de modelos de governação inspirados numa visão de Igreja-comunidade em missão. “Os primeiros frutos do discernimento – concluiu Dom Antonio Raspanti, membro da Presidência da Comissão – que se somam ao grande fruto da construção em curso de um novo método eclesial. Um método que amadurece suas conclusões e proposições a partir da escuta paciente, laboriosa e sempre fecunda do Povo de Deus”.

Clique para ouvir o texto destacado! Distribuído por Discurso G